A Fundação ITESP, órgão vinculado a Secretaria Estadual da Justiça, por meio de chamamento público e com recursos do Fundo Estadual de Combate e Erradicação da Pobreza (Fecoep), irá fazer a doação de cestas básicas para comunidades indígenas, ciganos e famílias carentes do Estado de São Paulo. Os alimentos são adquiridos pela Fundação Itesp, de agricultores familiares de assentamentos rurais e comunidades remanescentes de quilombos. Cada cesta possui 20 quilos, totalizando 200 toneladas de alimentos.

 

O convênio, composto por 3 editais, prevê a compra de 10.000 cestas básicas no valor de R$ 74,83 cada, num total de R$ 748.300,00. A meta é que todas as cestas sejam entregues até o dia 30 de junho.

 

A Cesta da Cidadania possui 12 itens de primeira necessidade, cinco são obrigatórios: 5 quilos de arroz, 2 quilos de feijão, 1 quilo de açúcar,1 quilo de sal e 900 ml de óleo de soja. Os demais itens enviados são provenientes das unidades de produção familiar, a exemplo de farinha de mandioca, legumes e frutas diversas da época, levando-se em conta a perecibilidade dos produtos ofertados.

 

A Fundação Itesp efetua a compra das cestas básicas fornecidas pelos agricultores familiares assentados e remanescentes de quilombos no estado e realiza o mapeamento das cadeias produtivas por região, identificando a capacidade de abastecimento, logística e sazonalidade. A instituição é responsável dentro dessa ação de mobilizar os produtores rurais e orientá-los quanto aos critérios de participação na comercialização, como qualidade, quantidade e periodicidade de entrega dos produtos.

 

Muitas das cestas básicas são produzidas no Vale do Ribeira, pelas comunidades quilombolas, ainda assim a ação envolve todo o estado. A Secretaria de Turismo em parceria com a Fundação Itesp conta com o Circuito Turístico Quilombola Paulista, no qual diversas comunidades recebem visitação de turistas. Com a pandemia e a suspensão das atividades turísticas, a ação da Cesta Cidadania é uma iniciativa relevante e que traz resultados efetivos não somente as comunidades que recebem as cestas, mas também quem as produz.